quarta-feira, fevereiro 08, 2006

Sonae lança-se à compra da PT com Opa Hostil

"O Tio" Belmiro de Azevedo quer adquirir 50,01% da Portugal Telecom. Eu, que sou mais para os ócios, e não percebo nada de negócios, pergunto aos esclarecidos que aqui vêm: isto é vantajoso para quem? Só para a Sonae? E para o Povão, nada? As comunicações vão ficar alguma coisa mais baratas?
PS- Vá lá, parece que eles, se ganharem a OPA, têm a intenção de melhorar os salários dos trabalhadores dos supermercados! Claro que isto era a brincar!
Mas, JD, não te amofines, olha que os interesses dos consumidores estão acautelados!

3 Comments:

Anonymous mitó said...

E também "o padrinho" BES...

12:45 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Sejamos objectivos. Este filme chama-se "O ASSALTO À PT"
Para os seus funcionários o Sr. Belmiro fala gobalização, da competição com o Mundo, dos indices de produtividade,etc... aquela lenga-lenga que todos estamos fartos de ouvir.
Para enriquecer (ainda mais)contacta (pressiona?)o Governo e argumenta que é importante (estrategicamente importante) a PT ficar em mãos nacionais, etc. Nessa altura (da compra)não há globalização mas sim um exacerbado (falso) nacionalismo.
E quando, mais dia menos dia,de acordo com a estratégia montada acabar por vender a PT a estrangeiros começará nova cantilena com outro blá-blá (já estafado), e passamos a ouvir música: as oportunidades de negócio, a capitalização de fundos para o País, a riqueza, etc..
Já conhecemos a história desde o Champas no caso Totta. Já vimos esse filme.

Quando é que aprendemos alguma coisa com estes pseudo-filantropos e chamamos os bois pelo seu nome, tendo presente que o capital não tem Pátria?

Quando é que estes figurões passam a fazer negócios trana parentes, sem a conivência do poder político e sem se aproveitarem dos períodos de fragilidade do Estado?

Ou esta OPA pode ser conotada com a candidatura sebastianista que logrou vencer em 22.01.06 ?

10:26 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Começam a aparecer os sinais evidentes da pouca-vergonha:

1. O governo não considera a OPA hostil, contrariando as declarações do Conselho de Administração da PT, representante dos accionistas;

2. O governo considera que mesmo com o parecer negativo da Autotidade da Concorrência, possa
autorizar o "negócio".

Bem. Convém esclarecer que a Sonae
não é uma desprotegida empresa nacional. Tem aspirações a ser uma multinacional, sendo portanto escandalosa a "protecção" e a situação de privilégio que pretende beneficiar.
Mas vamos admitir que até gostariamos de ter uma multinacional sedeada em Portugal. Não parece haver nenhuma clausula garantindo que no dia seguinte à aquisição não comece a sua venda no mercado (internacional).
Mais, Sr. Belmiro já ameçou, por
diversas vezes, mudar a sede social das suas empresas para o estrangeiro.
Cedendo uma vez - atenção: vão ser invocados altos interesses da nação para justificar a transacçaõ - poderá o governo acabar com uma cascata de exigências?
Ou será cada vez mais visível e notório(já existe) a determinante influência do poder económico nas decisões políticas?
Finalmente, quando vamos a votos de 4 em 4 anos, elegemos marionettes do poder económico?
Sendo assim, não será mais "económico" acabar com as eleições e assumir a desgraça?
Basta!
JD

2:46 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home