segunda-feira, setembro 29, 2008

“Atidos a sapatos de defunto”

Como não tenho herdeiros directos, vou avisando os meus sobrinhos, que, no meu caso, não estejam “atidos a sapatos de defunto”, porque não vou deixar nada a ninguém, a não ser, talvez, umas dívidas - tenciono gastar tudo, o que não é muito difícil, claro. Eles preocupados: “dívidas porquê?” Tenho para mim, que, se lhes deixar dinheiro, ou outras probendas, eles, que até se dão todos bem, vão zangar-se por causa disso. Mas, se, por acaso, lhes deixar umas dívidas, como são pessoas honradas e de vergonha na cara, vão cotizar-se para as pagar. Estou cansada de ver filhos/irmãos, que sempre se deram bem, zangarem-se e afastarem-se uns dos outros, na altura das partilhas. É frequente, quando os pais envelhecessem, ou morrem e há herança, ver abrir-se a caixa de Pandora e os herdeiros à batatada. Mas pior do que isto, é, começarem, ainda em vida, a espoliar os pais e tirarem-lhes de casa, móveis, louças, roupas, dinheiro, enfim, coisas que são suas e que constituíam o seu mundo, com o argumento de que eles já não ligam, ou que já não precisam, ou que nem vão dar por isso. Absolutamente execrável e desumano. Depois, tudo isto será seguido da inevitável lista de acusações e brigas (tribunais, às vezes), porque aquele levou as coisas melhores e só deixou quinquilharia para os outros, etc., enfim, obsceno! Parece uma fatalidade: onde há bens, há cobiça. Eu e os meus irmãos, como não tínhamos quase nada para dividir, nunca nos chateámos por causa de partilhas. Claro que, discutimos e ralhamos uns com os outros, como qualquer família "Silva" que se preza, mas sempre “numa boa”, sem acintes nem rancores e sem deixar de falar uns com os outros e nunca, nunca, por causa dos bens materiais. É por isso que digo aquilo aos meus sobrinhos. “Ó Tia gasta lá tudo o quiseres (eles sabem bem como eu sou capaz disso), mas não deixes dívidas, por favor”, pedem eles, com receio de que eu desate a gastar demais e morra endividada. Vou-me esforçar por lhes fazer a vontade, mas não garanto.

Etiquetas:

11 Comments:

Blogger Rui Coutinho said...

O próximo jantar será regado com Quinta do Vale Meão! Das trufas falamos depois. Eh..eh...

2:58 da tarde  
Blogger frosado said...

ok, estamos nessa...

3:15 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Até pode ser com o último da Casa Hermelinda de Freitas, aquele que foi medalha de oiro em França. Estou já de saída à procura das trufas, ah!ah!ah!
luisMONTE

3:27 da tarde  
Anonymous Bruno Rosado said...

Acho que fazes bem a próxima vez que vires a Mafra podemos fazer uma festa rija para ajudar a gastar os trocos, foste tu que os ganhaste fazes bem em gastar, aproveita para passeares mais que nós temos orgulho no teu sucesso.
Tudo o que gastas ganhaste a trabalhar :)

Não deixes é dividas que pobres de nós já temos as casas para pagar.

3:39 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

pois é! isto de esperar pela velhice é um "fatalismo" a combater urgentemente.Eu,cá por mim,recuso-me e só vou ser velha no dia em que morrer!!ah,ah!! O tom bem humorado da tua crónica traduz uma bem triste realidade tão comum por aí e, se a moda pega... há muito quem vá ter que pagar dívidas de defunto! quanto a quem opina que vai ajudar-te a gastar é de certeza porque sabe que gostas da partilha! e de que servem os nossos trocos se os não gastarmos com, e com quem nos dá, prazer.Gasta pois e, não te esqueças de mim na hora das trutas!

8:56 da manhã  
Blogger S said...

Gastar, por incrível que possa parecer, é uma das minhas palavras preferidas... ;)

10:02 da manhã  
Blogger frosado said...

Ó anónima,não são trutas, pq essas são baratas, O Rui Coutinho quer é trufas....
Ai, ai, minha linda S, tens a quem sair ou quê?

10:32 da manhã  
Anonymous mitó said...

Com convite ou sem ele, lá estarei!

3:26 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

eu e o meu incorrigível jeito de pouca ambição! como as trutas e as trufas e no fim até troco os vês pelos bês, e vice versa, se for tudo bem regado c'o tal de vinho medalhado a oiro, da tal de Hermelinda!É quanto vale o gozo de ler uma crónica bem escrita por ti...todos queremos ajudar-te a gastar bem gasto o tal de vil metal. É o que dá ter tão bons e participativos amigos!!!rc

8:06 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

acho que trocadilhos ou trocas,trufas ou trutas(que detesto),tambem me faço convidado

7:19 da tarde  
Anonymous José Socrates said...

Confesso que por vezes fico espantado pela positiva pela forma como apresenta alguns textos...este é sem dúvida um deles...

Espero que os meus pais façam exactamente a mesmas coisas...bem...a parte das dívidas dispenso, mas no essencial é tudo isso, a vida é um fósforo...as vezes queima-se ate ao fim outras vezes apaga-se logo no ínicio...por isso e no sentido de evitar as discussões e o corte de relações em torno do "vil metal"...GASTEM...DIVIRTAM-SE....TORREM TUDO desde as coisas mais futeis até as coisas mais importantes, mas o essencial é aproveitar a vida....

9:26 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home